Leia o número 4

Editorial

Editorial Revista Pandava

Sendo Portugal o país que, sem dúvida, abriu, com as suas viagens, a porta ao Oriente na Era Moderna, é triste o desconhecimento do público em geral da arte, literatura e filosofia da India, China, Japão, etc.

  • Setembro 11, 2019
  • por José Carlos Fernández
  • 0 comentários
ler mais
1

Fragmentos do Yoga Vasishtha II: Sobre o conhecimento (jñána) e o sábio (jñáni)

Devemo-nos esforçar por ser um jñani1 e não um jñánabandhu2. Este último é o que estuda as escrituras pelo prazer

1 Flor de Lotus. Pikrepo

Yamakavagga: Os Pares – Comentário ao Capítulo I do Dhammapada

A mente antecede todos os estados mentais

1 Meditação. Pixabay

Sobre os Upanishads na Cosmogênese de H.P. Blavatsky

“A História da Criação e deste Mundo, desde o seu início até ao tempo presente, está composta por sete capítulos. O sétimo capítulo ainda não foi escrito.” T. Subba Row

1 Universo. Pixabay

Reencarnação e concepções budistas: Então, o que reencarna?

Voltemos então à pergunta: O que é que reencarna?

1 Os 24 Tirthankaras. Domínio Público

Os Santos Tirthankaras

Segundo a tradição oriental, estes seres são aqueles que cruzaram o mais além. Estes são os seres a quem os jainistas prestam homenagem e admiração. O jainismo é uma religião com muitos pontos de contacto com o budismo, mas talvez muito mais antiga.

1 Papanatha Temple Pattadakal. Creative Commons

Ciclos, Yugas ou Eras na Cosmogonia da India Antiga

A Cosmologia Cíclica Conforme(CCC), de Roger Penrose, defende que o Universo passa por ciclos infinitos de expansão/regressão, terminando num mar de fotões e neutrinos, ultrapassando deste modo as singularidades e infinitos na matemática subjacente, enquanto a Cosmologia Cíclica Védica, com milhares de anos de existência, emparceira com a mesma conceção ao assumir que o Universo tem ciclos de existência de evolução e regressão da ordem dos milhões de anos terrestres denominados Kalpas na filosofia hindu-védica.

1 Lotus. Pixabay

O Kaushitaki Upanishad e a Viagem da Alma ao Coração do Real

“Dou a volta completa dos Deuses. Dou a volta completa do Sol”

1 Himalais. Pixabay

Joias do Panchatantra : Conto III

Em certo lugar viviam quatro brâmanes, filhos de família, que tinham uns pelos outros uma grande amizade. Todos eles afligidos pela pobreza. Aconselharam-se uns com os outros, dizendo:

1 Escultura de Surya o Deus do Sol e a Luz. Creative Commons

Jóias dos Upanishads (I): O Brihadaranyaka Upanishad

O Amanhecer é a cabeça do cavalo sagrado, o sol a sua vista, o vento o seu alento, o fogo elemental as suas fauces abertas. O ano é o seu corpo, o céu as suas costas, o ar o seu abdómen, a terra o seu ventre.

1 Buddha. Pixabay

O Sermão de Benares

Vendo o seu velho mestre aproximar-se, os cinco bhikkhus combinaram entre si não o cumprimentarem nem tratarem como mestre, mas apenas pelo seu nome. «Porquê?», disseram, «ele quebrou os votos e abandonou a ascese. Não é um bhikkhu mas Gotama, e Gotama tornou- se num homem que vive em abundância e entregou-se aos prazeres do mundo.» 1

1 Guerreiro Japonês. Domínio Público

Cittavagga: A Mente, comentário ao Capítulo III do Dhammapada

No Capítulo sobre a Mente (Cittavagga), Buda a compara logo no primeiro verso com a “haste de uma flecha” que, sendo “difícil de dominar”,”volúvel e instável” como as águas de um rio, tem de ser endireitada pelo “homem firme”.

1 Ilustração de uma edição síria do Panchatantra. Domínio Público

As Maravilhas Filosóficas do Panchatantra

Se há um livro que tem sido constante na educação de príncipes e nobres é o Panchatantra Hindu.

1 Templo Bangkok. Pxfuel

Appamadavaggo dutiyo: A Vigilância

O segundo capítulo do Dhammapada é dedicado à Vigilância, Appamadavaggo dutiyo (Appamada = a não-negligência, o cuidado, zelo ou vigilância; vaggo = capítulo; dutiyo = segundo). Esta é a qualidade essencial no Caminho do progresso interior.

1 K. Nandini Singla. Embaixadora da Índia em Portugal (centro da mesa)

Speech by Her Excellency K. Nandini Singla, Ambassador of India to Portugal

Speech by Her Excellency K. Nandini Singla, Ambassador of India to Portugal, during the celebrations of World Philosophy Day 2019, organized by the New Acropolis in partnership with the Municipality of Oeiras and the National Commission of UNESCO.

1 K. Nandini Singla. Embaixadora da Índia em Portugal (centro da mesa)

Discurso de Sua Excelência K. Nandini Singla, Embaixadora da Índia em Portugal

Discurso de Sua Excelência K. Nandini Singla, Embaixadora da Índia em Portugal, aquando das celebrações do Dia Mundial da Filosofia 2019, organizadas pela Nova Acrópole em parceria com o Município de Oeiras e a Comissão Nacional da UNESCO.

1 Adi Shankara, comentarista dos Upanishads. Domínio Público recortada

Conceitos Filosóficos dos Upanishads

Os Upanishads com os seus hinos, diálogos, poemas e explicações são o corpus de filosofia mais formidável e, ao mesmo tempo, mais antigo que chegou até nós quase intacto.

2 Yogasutra de Patanjali. Wikimedia Commons

Uma interpretação psicoespiritual dos Deuses Védicos

Afirmámos algumas vezes que os Vedas, a “Bíblia mais antiga da Humanidade”, é uma fonte inesgotável de poesia, filosofia e misticismo. Cada um dos seus mantras é uma jóia de significados iridescentes, agrupando-se, apenas no Rig Veda, em 1028 Hinos que são, também, em grande parte a base dos seus cantos (Sama Veda) e rituais (Yajur Veda).

adi_shankaracharya_wallpaper

Shankaracharya, uma lição de pedagogia eterna

Shankaracharya foi um grande mestre indiano que deixou uma profunda marca nas tradições filosóficas da Índia.