Clássicos de Literatura

1 Fortaleza. Pixabay

A Metáfora da Fortaleza Védica

Toda a fortaleza visível oculta uma identidade e toda a identidade reconhecida outorga uma nova fortaleza. Temos sido levados a

1 Buda. Pixabay

Comentário ao Capítulo VI do Dhammapada Panditavagga: O Sábio

“Se alguém encontrar um homem que aponta as falhas e as reprova, que pessoa tão sábia e sagaz seja seguida como um guia para o tesouro escondido. Cultivar tal associação é sempre melhor e nunca pior. Deixai-o alertar, instruir e proteger alguém do que é errado, ele na verdade é querido para os bons e detestável para os maus. Não te associes com más companhias; não procures o que é vil. Associa-te com os bons amigos, procura a companhia de homens nobres.” (Versos 76 a 78)

1 Estátua de Buda. Pixabay

Comentário ao Capítulo V do Dhammapada Bālavagga: O Louco

Embora tenham passados séculos, e ainda milênios, não existe leitura mais atual que a dos clássicos, especialmente se falarmos dos Lotus que perfumaram toda a humanidade e ainda iluminam a alma com os seus ensinamentos como fontes de esperança. Tal é a voz de Buda, o seu rugido de leão fazendo ouvir a Boa Lei.

1 Universo floral. Pixabay

Comentário ao capítulo IV do Dhammapada Pupphavagga: As Flores

O Dhammapada será certamente o texto mais divulgado do Cánon Pali, o Livro sagrado do Budismo Theravada também conhecido por Tripitaka, e está incluído no Sutta Pitaka que é o conjunto de textos que versam sobre Ética, os ensinamentos que permitem percorrer o Caminho, aquelas indicações que os peregrinos vão encontrando na sua marcha.

1 Himalais. Pixabay

Joias do Panchatantra : Conto III

Em certo lugar viviam quatro brâmanes, filhos de família, que tinham uns pelos outros uma grande amizade. Todos eles afligidos pela pobreza. Aconselharam-se uns com os outros, dizendo:

1 Guerreiro Japonês. Domínio Público

Cittavagga: A Mente, comentário ao Capítulo III do Dhammapada

No Capítulo sobre a Mente (Cittavagga), Buda a compara logo no primeiro verso com a “haste de uma flecha” que, sendo “difícil de dominar”,”volúvel e instável” como as águas de um rio, tem de ser endireitada pelo “homem firme”.

1 Ilustração de uma edição síria do Panchatantra. Domínio Público

As Maravilhas Filosóficas do Panchatantra

Se há um livro que tem sido constante na educação de príncipes e nobres é o Panchatantra Hindu.

4 Buda do Templo Todaiji, Nara, Japão. Creative Commons

Sutta Pitaka: soluções espirituais que ainda estão vigentes

Este é um dos tesouros, um dos ensinamentos de Buda no Discurso sobre a «Raiz-Sequência» (Mula Pariyaya Sutta) que aparece como o primeiro dos chamados Discursos Médios (Majjhima Nikaya), dentro do Sutta Pitaka, esta última, obra que compendia todos os discursos de Buda, de acordo com a versão do budismo Theravada do Sri Lanka.

1 Rama partindo de Ayodhya por 14 anos em exílio. Public Domain

Discurso sobre o Reino

Bharata, ao saber da morte do seu pai e que o seu irmão, Rama, a encarnação de Indra, havia sido exilado para a floresta, por um período de catorze anos, vai ao seu encontro a fim de o convencer a regressar a Ayodhya. Contudo, Rama, antes ainda de conhecer os motivos da vinda de Bharata, assume que este já se estabeleceu como príncipe reinante, dando-lhe preciosos conselhos sobre o bom governo: