Lição de Buda sobre o tamanho dos átomos

“Vou-te medir quantos átomos de sol

Existem nas extremidades de um yojana.
Então, rápida e habilmente, o pequeno príncipe
Explicou o total de átomos reais.
Visvamitra ouviu-o espantado
E ele disse olhando para o rosto da criança:
Tu és o professor dos teus professores; tu e não eu
És um guru. Oh, eu te adoro, doce príncipe!”

A Luz da Ásia, Edwin Arnold

Quando lemos este fragmento no excelente poema A Luz da Ásia, de Edwin Arnold, sobre Buda, pensamos que a medida que ele dá sobre os “átomos do sol” – e sobre as potências de dez que a matemática chama de “grandes números” e os hindus antigos de “lotos”- são simbólicos ou, em última análise, todo o conhecimento da Índia antiga se baseia em superstições estranhas. Atordoados, lemos o trabalho do matemático, teólogo e poeta védico Subash Kak [1], no qual ele demonstra, por um comentário dos Vedas do século X, que os brâmanes – ou pelo menos quem escreveu o texto, Bhatta Bhaskara – conheciam a velocidade da luz com incrível precisão.

De onde eles tiraram esse conhecimento, com que metodologias?

Primeira edição do livro Química Oculta, de Annie Besant e Charles Leadbeater

No seu livro Números notáveis, o matemático Lamberto García del Cid fala-nos do número 108.470.495.616.000 e diz que é o número com o qual Sidharta Gautama, o futuro Buda (desde criança) responde à pergunta do matemático Arjuna de quantos átomos alinhados formam uma yojana (a distância do avanço do exército real em um dia e estimado em cerca de 14,6 km). Ele não diz isso, mas o texto em que se baseia pertence ao Lalita Vishtara Sutra, que é um dos grandes clássicos sobre a vida de Buda, na tradição Mahayana.

O surpreendente é que, quando fazemos a operação (dividindo um yojana, 14,6 km, pelo número indicado pelo Buda, 108.470.495.616.000), isso nos dá uma medida de 1,34 x 10 exp-10 metros, ou seja, 1,34 Angstrom. Quando a medição do átomo de hidrogénio (“um átomo do sol”) é, aproximadamente, de acordo com nossa comunidade científica, 1x 10exp-10 metros, ou seja, 1 Angstrom. Ou seja, esse número de átomos alinhados efetivamente dá-nos a distância de um yojana!

QUANTO CONHECIMENTO ADMIRÁVEL E INEXPLICÁVEL!

E não menos surpreendente é ir ao Vishnu Purana e ver que o termo com o qual eles designam a unidade indivisível, ou átomo, que é Paramanu, mede 1,5 x 10 exp-15 metros, e a medição do núcleo atómico é precisamente – de acordo com a Física Atual Nuclear – 1,7x 10 exp-15 metros. Ou seja, é uma medida, como a anterior, quase idêntica.

Que instrumentos a Ciência Védica usou? A visão interior, como nos contam os Rishis, com a qual examinaram os interiores, não apenas da matéria, mas de qualquer matéria que eles quisessem estudar? Foi assim que nasceu a Doutrina Secreta, comentada por H.P. Blavatsky, a síntese da soma de todo o conhecimento acessível à mente humana e compilada em milhares de volumes em bibliotecas ocultas em criptas subterrâneas? Lembre-se das experiências desse tipo de Annie Besant e Leadbeater que refletiram no seu livro Occult Chemistry, em 1908. E esses personagens eram discípulos, não sábios perfeitos, muito menos, portanto imaginamos que a visão interior deles não deveria estar totalmente focada.

Página do livro Occult Chemistry, com desenhos dos vários tipos de átomos, desde o físico até ao etérico.

O sábio perfeito é aquele que, como diz o texto místico “Voz do Silêncio”, do budismo Vajrayana:

“Se ergue como uma coluna branca em direção ao Ocidente e, de frente, o sol nascente do pensamento eterno derrama suas primeiras e mais gloriosas ondas. A sua mente, semelhante a um mar calmo sem fronteiras, estende-se pelo espaço sem limites. Na sua poderosa mão direita, ele tem a vida e a morte”. 

A Voz do Silêncio, H.P. Blavatsky

E também é ele quem

“ajuda a Natureza e trabalha com ela, e a natureza o considera como um dos seus criadores e lhe obedece. E diante dele abrirá as portas de seus recintos secretos e revelará diante dos seus olhos os tesouros escondidos nas profundezas do seu seio puro e virginal. Não poluído pela mão da matéria, ela mostra os seus tesouros apenas aos olhos do Espírito, um olho que nunca se fecha e para o qual não há véu em todos os seus reinos.”

A Voz do Silêncio, H.P. Blavatsky


Francis Aston (1877-1945), descobridor dos isótopos, ao estudar o néon – e pelo qual ganhou o Prémio Nobel de Química em 1922-, fê-lo estudando ansiosamente este livro de Química Oculta, de visão intra-atómica por métodos clarividentes. Ele próprio afirmou isso nas primeiras entrevistas e artigos, mas eles recomendaram que, se ele quisesse receber o Nobel, não deveria mencionar que tinha seguido as indicações dos teosofistas místicos, passo a passo. Estavam decididos a não aceitar interferências, essa nova Inquisição, com suas novas missas erguidas com muros de fogo (a propósito, muitos cientistas mártires do século XX queimaram, senão a carne, o prestígio e as carreiras) sob ¡VADE RETRO Alquimia!

Mas pouco importa, a verdade é como ouro entre os outros metais, é pura, inalterável, permanece idêntica a si mesma enquanto tudo o resto se torna pó. É mais poderosa do que todas as formas mentais traçadas na imaginação, porque é indestrutível e sempre encontra paladinos que, sem os seus raios, não temem nada… e assim a ciência avança e a alma humana cresce, século a século, milénio a milénio. E aqueles que atacam hoje, defenderão essas verdades amanhã, pois essa é a evolução da ciência e o despertar da consciência.

ANEXO- Tabela de medidas para chegar a umyojana, segundo a wikipédia inglesa

MedidasIguais a… (em medidas hindús)Notas
10 Param Anus1 ParasúkshmaParam Anu refere-se a “átomo”
10 Parasúkshmas1 Trasarenu
10 Trasarenus1 Mahírajas (partícula de pó)
10 Mahírajas1 Bálágra (ponta de um cabelo)
10 Bálágra1 Likhsha
10 Likhsha1 Yuka
10 Yukas1 Yavodara (coração de cevada)
10 Yavodaras1 Yava (grão de cevada de tamanho médio)
10 Yava1 Angula1,89 cm ou aprox. 3/4 polgadas – aqui angula não significa 1 polgada mas sim 3/4 de polgada
6 Dedos1 Pada (a largura dos mesmos)
2 Padas1 Vitasti (palmo)
2 Vitasti1 Hasta (codo)
4 Hastas[1] Dhanu
1 Danda2 Nárikás igual a 6 pés (1,8 m)[1] Paurusa (altura de um homem)
2000 Dhanus1 Gavyuti (distância à qual se pode ouvir o mugido de uma vaca)12.000 pés (3,7 km)
4 Gavyutis1 Yojana
1 Yojana9,09 milhasou 14,63 kilómetros

[1] É o artigo “A Velocidade da Luz na Cosmologia Purânica”, que se pode ler aqui: https://www.researchgate.net/publication/2179548_The_Speed_of_Light_and_Puranic_Cosmology

Deixe uma resposta